10/07/2015

Sentimen(t)os


É estranho porque eu nunca me imaginei mais assim. Da última vez, eu prometi a mim mesma que essa sensação não me tomaria mais conta. E aqui estou eu, pronta pra novas entregas, experiências e decepções. Você me parece tão certo, mas algo lá no fundo me pede pra desistir disso tudo. É como se valesse a pena por uns instantes, mas nada retomaria seus devidos lugares depois. Não por um bom tempo.
Mas eu quero isso. Eu desejo isso. Talvez mais do que da última vez, e menos do que na próxima. Será que vai ter próxima? Sempre tem, né? Mania boba da gente de achar que as coisas nunca mais vão se repetir. Até o sol nasce de novo. Eu devo ser ingênua demais por acreditar nessa loucura toda. Mas que loucura não deve ser acreditada? A gente vive (ou tenta)! Isso não seria uma prova concreta que já estamos vulneráveis no meio de todo esse caos? Então, só me mostra que esse pouco vale (muito!) a pena. Quase sempre mudo de ideia, e eu tou completamente disposta a ceder essa parte insegura de mim. Eu notei isso quando tudo parecia ficar tão vago sem você por perto, embora que distante. É como se tudo fosse perdendo o gosto e o sentido. Não precisa se esforçar pra sentir o mesmo, porque isso é quase que involuntário, infelizmente. Eu também tento às vezes não sentir, mas sufoca, sabe? Fico nessa eterna luta interna de sentimentos incontroláveis e inconstantes. Por um momento eu me tenho nas mãos, mas aí você vem e me mostra que eu tou completamente nas suas.

2 comentários:

  1. "Mania boba da gente de achar que as coisas nunca mais vão se repetir. Até o sol nasce de novo."

    Tão simples, tão profundo, tão poético. Adorei.

    http://contosetrocados.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu escrevo essas coisas na intenção de que ninguém leia, e ler isso me deixa tão feliz <3

      Excluir